CRUZEIRO SEIXAS


Alguns manequins da última moda dados à costa ontem

Impressão Digital sobre Tela Ι 50x40 cm Ι M

Sem Título

Serigrafia Ι 60x47 cm Ι M

Sem Título

Técnica Mista sobre Papel Ι 21x16 cm Ι 1954 Ι M

Paisagem Incerta para um Evadido

Serigrafia Ι 50x40 cm Ι M

Homenagem ao Corpo

Serigrafia Ι 70x50 cm

Sem Titulo

Tinta Chinesa Ι 21x17 cm Ι 1948 Ι M

Sem Título

Serigrafia Ι 59x41 cm Ι M

Sem Título

Serigrafia Ι 45x32 cm Ι M

Sem Título

Serigrafia Ι 40x30 cm Ι M

No dia seguinte ao nosso casamento

Serigrafia Ι 27,5x36,5 cm Ι M

Sem Título

Impressão Digital sobre Tela Ι 46x33 cm Ι M

Sem Título

Impressão Digital sobre Tela Ι 41x46 cm Ι M

CRUZEIRO SEIXAS


Cruzeiro Seixas  é o nome cimeiro do Surrealismo Português. Nasceu em 1920 na Amadora. Em 1967, após dezassete anos a viver em Angola, regressou a Portugal onde o mérito da sua obra é reconhecido com a atribuição de um prémio pela Fundação Calouste Gulbenkian. Algumas obras raras, como algumas colagens, permaneceram guardadas no seu espólio pessoal e, apenas recentemente foram apresentadas a público, fazendo parte do vasto património de Arte Surrealista da Fundação Cupertino de Miranda. Medalha de Mérito Cultural atribuída pelo Governo de Portugal em novembro de 2020.

 

"A pintura que fiz foi tanto quanto possível indiferente ou mesmo hostil à arte, ao mercado, a elogios. E nela não afirmo nada, antes duvido, pergunto, deponho, glorifico a dúvida, e principalmente presto testemunho". Cruzeiro Seixas - Março de 1991

 

O que fiz de uma tela ou de uma folha de papel, foi sempre o jogo de não saber. Desencadear é tudo o que sei - se sei.


voltar